quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Professores da UFRN ganham o Prêmio Inventor 2011 da Petrobras

Professora Dulce Maria de Araújo Melo, o equipamento desenvolvido e demais membros da equipe: UFRN conquista mais um reconhecimento nacional, o Prêmio Inventor 2011 

Os professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Dulce Maria de Araújo Melo, Antônio Eduardo Martinelli e Marcos Antônio de Freitas Melo receberam o Prêmio Inventor 2011, concedido pela Petrobras aos pesquisadores que se destacaram pelo desenvolvimento de tecnologias inovadoras e geração de patentes promissoras. O prêmio conquistado se deve a uma pesquisa de dois anos produzida pelos pesquisadores voltada ao processo para tratamento de águas contaminadas produzidas na indústria do petróleo.

Segundo a ganhadora do prêmio, Dulce Maria de Araújo Melo, professora do Departamento de Química, o objetivo principal do projeto denominado como SAMDA foi o tratamento da denominada água produzida, que é o principal efluente (resíduo, rejeito) ligado à atividade de extração de petróleo. Deve o gerenciamento desse efluente ser cuidadoso, em razão do grande volume envolvido, de forma a garantir a minimização dos impactos negativos dos descartes dessas águas no meio ambiente.


O estudo avaliou a utilização de xisto retortado, rejeito proveniente da pirólise do xisto pirobetuminoso, como adsorvente para remoção de compostos orgânicos e inorgânicos solúveis (como fenóis e íons de metais pesados) em águas produzidas. Para estudo da eficiência do material proposto para remoção destes contaminantes, foram realizados testes em laboratório (com soluções sintéticas) e em campo (no emissário de descarte de uma unidade de tratamento de efluentes).

Os resultados comprovaram a capacidade de adsorção do material proposto (chegando a zerar as concentrações de fenóis e de alguns metais), sugerindo a aplicação de colunas de adsorção tipo leito-fixo após as células de flotação já existentes no processo original, garantindo um refinamento no tratamento do efluente, o que garante que se enquadre dentro dos padrões previstos pela legislação ambiental.


Professora Dulce (acima) fala sobre o prêmio recebido
pelo desenvolvimento de um processo de tratamento
de águas contaminadas (abaixo)
De acordo com os pesquisadores, esses resultados são bastante satisfatórios, uma vez que se consegue minimizar as concentrações dos compostos prejudiciais ao meio ambiente utilizando um rejeito sólido proveniente da própria indústria petrolífera.

Segundo Dulce Maria de Araújo, o êxito da patente se deve a toda a equipe, que envolveu pesquisadores e alunos e, de maneira decisiva, à parceria com a Petrobras, que forneceu os recursos necessários para a realização do projeto.

“Receber o Prêmio Inventor 2011 pela terceira vez para mim é muito gratificante, pois com esses projetos adquirimos equipamentos e pagamos bolsas aos alunos da UFRN. Hoje, temos o orgulho de dizer que todos os alunos que concluem o curso de Química do Petróleo saem empregados, justamente porque cuidamos do futuro deles, para que tenham respaldo e um futuro brilhante”, disse a professora Dulce Maria de Araújo Melo, doutora em Química Inorgânica.

“Nós, como pesquisadores, não podemos apenas nos pautar pelo nosso sucesso, mas também pelo de nossos alunos e pares. E se cada um fizer o seu papel, e bem feito, continuaremos tento uma universidade de ponta como é hoje”, acrescentou a professora Dulce Maria de Araújo Melo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário